Desabafo de uma modelo frustrada

Para algumas pessoas é mais difícil do que para outras.

É um fato, não adianta negar. Se você também sente o mesmo, já sabe do que eu estou falando.

A primeira coisa que a gente pensa é “injustiça”. Claro, se você se dedica mais, se você treina, corre atrás dos objetivos e faz de tudo para conseguir, teoricamente seria pra você conseguir. Teoricamente.

É complicado falar daquilo que não entendo, falar da vida sabe? Ela é tão cheia de mistérios e de imprevisibilidades que ainda não consegui compreender como acontecem os acontecimentos. E, porque tem pessoas que se esforçam tanto e não alcançam nem metade, nem ao menos um quarto do reconhecimento de alguém que se esforçou bem menos. Acontece. Injustiça? Ainda não descobri se essa seria a melhor definição.

Descobri que a sensação não é boa, lidar com o fracasso nunca será algo bom.

“É porque não era pra acontecer”. Será mesmo? Depois que você fez de tudo pra acontecer, se doou, se esforçou, investiu, não era pra acontecer? Poxa, então por que não te avisaram antes? Por que eu tive que fazer uma dieta super restrita de carboidratos, junto com jejum intermitente aliado a treinos de 1h e 30 min na academia todos os dias? Por que eu fiz sessões no psicólogo porque eu estava super indecisa sobre o que fazer e porque a ansiedade estava me matando? Por que eu gastei tanto dinheiro com passagens, acomodação, alimentação, compras, estética? Por que eu fiz dois procedimentos de preenchimento nas olheiras pra elas terem sido um dos fatores que me prejudicaram? Por que eu chorei e deixei meus pais loucos e preocupados? Por que eu não fui pra festas, casamentos e comemorações com medo de engordar? Por que eu treinei passarela quase que diariamente no corredor do meu apartamento e com certeza devo ter criado uma inimizade com o vizinho de baixo? Por que eu cortei, pintei, escovei, enrolei meu cabelo várias vezes pra ele também ter me prejudicado? Por que eu fui andando durante uns 40 minutos em um sol de rachar até o cartório pra poder abrir uma firma e reconhecer os documentos necessários? Por que depois eu chorei de dor no pé, chorei de desespero, chorei de impaciência? São tantos porquês que não foram ditos, mas que também são indagados por mim a toda hora. POR QUE? Porque não era pra acontecer? AH TÁ, obrigada por me informar isso só agora.

Eu brotei a esperança no coração de cada um que torce por mim, eu brotei expectativa em cada pessoa que sabe da minha vida, eu brotei esperança em mim mesma. E, eu não queria admitir isso, mas acho que resta talvez um pingo dela no meu coração nesse momento. O resto desapareceu ao longo das últimas semanas, desapareceu com os olhares que te ignoram, com as pessoas que não te dão atenção e que não acreditam em você, com as rejeições, com a dificuldade de ver suas amigas indo e você ficando. Eu não quero mais ficar, quero ir, quero aceitação, quero viver mais do que uma experiência, quero concretizar aquilo que eu lutei tanto pra acontecer.

Mas, para algumas pessoas é mais difícil do que para outras, é uma questão de paciência.

Sempre será.

(Originalmente escrito em Setembro de 2017)

Confiança é tudo e mais um pouco.

Não que eu não sabia disso, mas nas últimas semanas ficou escancarado.

Vamos imaginar a seguinte situação:

Você é produtor e está selecionando modelos para fazer um desfile, tem uma fila de meninas lindas, altas e diferentes te aguardando. Você inicia o casting e pede pra primeira entrar. Cabelo brilhoso, rosto sem nenhuma espinha, corpo lindo, porém, desanimada, tímida, pra baixo, sem energia. Ela não parece segura, nem um pouquinho. Você consegue sentir a tensão e o nervosismo na expressão da garota. Então você pensa… Se ali no casting ela tá assim, imagina na hora do desfile!

E eu te pergunto – você a escolheria?

Parece duro né? Mas é a realidade.

Engraçado, porque eu me identifiquei com essa modelo – sou assim, fico nervosa, começo a tremer e fico pensando que não sou boa o suficiente para ser escolhida. Daí as pessoas vêm e falam: ” você precisa ser positiva, otimista”. Como se eu não tentasse, como se eu não repetisse mil vezes na minha cabeça que “vai dar certo, vai dar tudo certo”. Poxa, falar é fácil, mas na prática é bem mais complicado do que se imagina.

Mesmo assim, eu preciso admitir que ter confiança em si mesma faz muita diferença. Então vou te dar um conselho que talvez eu mesma precise seguir.

Pare de se comparar. Não se compare com outras modelos, não se compare com ninguém. Você é você e pronto, caramba. Acredite no seu potencial, acredite na sua beleza, na sua energia, no seu caminho. Acredite que você pode ser poderosa, você pode fazer carão, você pode desfilar do seu jeito. E pare de ligar pra opinião dos outros, ninguém paga as suas contas, a vida é sua, SÓ SUA!

Sinta-se leve, viva com leveza, se entregue da melhor forma que conseguir. E se não conseguir, tá tudo bem, você não vai morrer por conta disso. Pelo menos você foi forte, tentou, se arriscou. Eu vou te dizer uma coisa, nessa vida a gente provavelmente vai escutar mais “nãos” do que “sim”, é assim mesmo, acontece. E quem souber lidar com isso, um dia vai comemorar muito um grande “sim” que ainda está por vim.

Mude a sintonia e brinque de viver.

Bjbj, Ceci. ❤